domingo, fevereiro 15, 2009

Sinais dos tempos


Tenho 33 anos. Quem me conhece sabe que essa frase será falsa por mais dois meses e alguns dias, que é quando realmente completo a idade de Cristo. Mas, já que tô quase lá, arredondei. Não sei se isso é praxe, mas posso falar de mim. Quando passei dos 30, comecei a perceber diversas coisas interessantes em volta. Hoje, vou me ater a uma delas. Com apenas 33, sou sempre uma das mais velhas nas turmas de trabalho. Tanto nos fixos, quanto nos projetos em que me envolvo com início, meio e fim. Ser uma das mais velhas com apenas 33 me leva a pensar que o mercado está mesmo muito perverso. Ou você se firma enquanto está nos idos dos vinte e pouco ou então... Só que contamos nos dedos as pessoas que conseguem esse feito tão cedo. Uma outra causa disso é que empregadores têm pago cada vez pior seus profissionais e o mais novos, normalmente, têm mais disposição para se submeter à condições não tão boas de trabalho. Chegam cheios de disposição e, diante de um mercado tão duvidoso, precisam adquirir experiência a qualquer custo. Afinal de contas, o tempo passa para todos, não é? Mas, preciso confessar que isso me causa uma certa frustração. Sempre gostei de me espelhar em pessoas mais velhas, de olhar pra fulano querendo ouvir: eu sou você amanhã (Lembram do comercial? Era de que mesmo??)! Onde estão vocês, caríssimos gurus? Onde foram parar?

Bom, deixa eu voltar aos meus 33. Quem me lê há mais tempo, sabe que uma das coisas que mais prezo na vida é envelhecer. Já dizia nosso grande Nelson Rodrigues: "Jovens, envelheçam." Pois eu atendo ao pedido desse grande mestre com prazer. E acho uma diversão olhar para os mais moços e ver que, para alguns, pareço uma senhora de seus 80 anos. Minha relação com o sol mudou, com o Carnaval também. Com a família, com o cachorro, com os amigos, com o mundo. E  sinto-me mais inteira. Mesmo que essa sensação nem sempre seja prazerosa. Há dor também num ser que se sente mais completo a cada dia, pois ela é parte da nossa construção como indivíduos. E vou me sentindo melhor a cada mudança de olhar, a cada percepção diferente, a cada certeza nova e a cada dúvida nova também. Sim, as dúvidas do passado vão dando lugar as do presente e assim por diante. Mas, o que seria de nós se não fosse o tempo, esse cara que nos transforma - se  formos minimamente inteligentes - para melhor.? Na Índia, os mais velhos são cumprimentados com toques nos pés, em respeito aos caminhos que já percorreram. E não há nada mais bacana do que os caminhos que percorremos, sejam eles físicos ou emocionais. Sem o tempo, os caminhos não se fazem e sem os caminhos, não há crescimento. Portanto, vivam os dois! E vivam os meus 33 adiantados!

Obs: A inspiração para esse texto veio de uma crônica que li hoje, na revista do jornal "O Globo", de autoria do cantor e compositor Bena Lobo. Vale a pena ler!!

Obs 2: A foto que ilustra essa crônica é da mão de um chinês de mais ou menos 70 anos. Eu o flagrei num momento de pura diversão, quando tocava seu instrumento musical e cantava em plena praça pública, na poluída Pequim. Que o tempo me permita ser assim quando crescer! Insha-Allah!

40 comentários:

Murilo Ribeiro disse...

Tia, quando eu crescer eu quero escrever igual que nem você...rs!
Ótimo post - o que tá longe de ser novidade, né?
Outro dia estávamos falando sobre tempo lá na redação, discutindo algumas expressões que usamos com muita propriedade e que, para os jovens da vez, não fazem sentido algum. Aliás, é até capaz de alguns leitores seus não conhecerem o tal comercial do "sou você amanhã".
É isso, minha amiga. Tô me aproximando dos 30 nessa mesma vibe: agarrando os ensinamentos que essas três décadas me trouxeram para, no mínimo, errar de formas diferentes no futuro. O que vale é trilhar novos caminhos...
Bjão!

Suellen Analia disse...

Estou me aproximando dos 20 e às vezes sinto um certo pânico.
Mas, vendo vc tão empolgada escrevendo sobre a arte de envelhecer, até me inspira e me dá uma vontade maluca de adiantar o relógio. rs
Mas, como tudo tem sem tempo, pretendo administrá-lo muito bem o meu, e sabendo aproveitar muito bem cada segundo dele.
Continue nos passando um pouquinho de sua experiência, Isabella. É sempre bom ler essas coisas.

ps: estou lendo "O Leitor" e estou adorando. Já estou na segunda parte e me aproximando do fim. Vale à pena ler!
Grande beijo.

isabella saes disse...

Murilo, adorei o "tia"!! Sabe que tenho sido chamada assim o tempo todo?! É que estou na fase em que os amigos procriam como coelhos. E aí, eu virei a tia dessas criaturinhas incríveis que estão nascendo por aí!! Pois é, e eu não lembro do que era o comercial. Vc lembra? Cadê o chopp pós-Carnaval???

Suellen, para tudo!! Nada de preocupações aos 20, pelamordedeus!!!! Quanto ao livro, imagino que seja ótimo mesmo. Eu vi o filme e gostei muito. A Kate Winslet arrebenta!!

Amanda Hora disse...

Eu estou próxima dos 19 ainda, mas acho muito bonito quem sabe envelhecer bem e aproveita cada segundo da vida para aprender. O aprendizado é fascinante, assim como ler as palavras de pessoas mais velhas que eu e que tem sempre algo bem legal para escrever, como você.
Beijos

Gabriel Cavalcanti da Fonseca disse...

Também sinto essa falta de tutores. Gurus. Mestres. Enfim, pessoas mais velhas, com mais estrada pra nos guiarem e ensinarem, especialmente no trabalho.
E acho que esse mercado excessivamente jovem é ruim em muitos aspectos. Acho que perdemos todos... Enfim..
Mas queria muito ter essa sua relação tão boa com o amadurecimento. Até consigo ver o lado bom e aproveitar muita coisa disso. Mas envelhecer e ver que o tempo está indo, e que tem coisas que não vão voltar e que caminhos já foram fechados pelo tempo me angustia. Talvez eu seja muito contaminado já por a cultura dos nossos dias, que infelizmente supervaloriza a juventude ao extremo.

Beijo e saudade.

chope, chope, chope!

Suellen Analia disse...

Tudo bem! Sem preocupações, vc é quem manda! rs
Qnd eu acabr de ler o livro, vou correndo assistir o filme! Beijos.

Selma Boiron disse...

Hmmm, tb faço parte dos velhinhos angustiados e me envergonho de pensar q seria eu uma guru - não fosse a dificuldade de (ainda!) estar na ativa num meio q, infelizmente, não valoriza a experiência. Uma pena....Gosto tanto do que faço, gostaria tanto de dividir observações e conhecimento com os mais novos...Mas, a arrogância dos 20, a acomodação dos 30 e o desânimo dos 40 não me parecem terreno fértil. Páro para me lembrar q, aos 20, eu já 'me' achava, cheguei aos 30 'me' sentindo e, aos 40, vi q já era tarde demais(profissionalmente). O jeito? Reinventar-se! Não, não é mkt! É isso msm! Se não dá + pra ser do jeito q era, q seja de um jeito novo, diferente mas igualmente bom, prazeroso, feliz. Acho q a angústia dos q envelhecem é por não lidarem bem com as transformações q se fazem necessárias, a adaptabilidade q vc nota claramente no seu próprio corpo com o advento da maternidade. Sábia natureza...Q ela me mantenha tola pra crer q sempre será possível e risonha pra parecer sempre feliz! Bjs grandes, moça! Vc não envelhece, prorroga a temporada!:D

® ♫ The Brit ♪ ® disse...

Oi Isabella,
Gostei muito sua post - e um poesia, poesia puro!!!
Sou mais velho de vc e admitir o que eu nunca pensar em idade ou ficar preocupado com esses coisas como muitos pessoas ficar. Se foi possivel eu nunca quero voltar para meus anos 20's pq agora sou uma pessoa mais maduro e entende mais o mundo e a natureza, as artes tb - o que , como vc sabe, e uma coisa muito importante na minha vida! Eu acho o coisa mais importante na vida e para abraçar a vida e não ficar com medo dela!
Beijos Dear Friend!

Sergio Brandão disse...

Jovem (e) Bella, este certamente é um dos seus posts mais arrebatadores que já li!... MUITO BOM!!! E um dos pontos que achei mais interessante é o reconhecimento das contradições, da ambiguidade da vida... Acho que "queremos" dizer que nada é de todo ruim ou bom; se ganhamos por um lado, perdemos do outro e vice-versa... O barato é a gente saber se comportar como li em algum lugar nesta semana: como os otimistas, que, em cada dificuldade, encaram uma oportunidade (literalmente ao contrário dos pessimistas, que, em cada oportunidade, encaram uma dificuldade! rs). Beijos e obrigado pelas visitas lá no "e4"!!! E, ah, não vi ainda "O Mundo de Andy"... Valeu pela dica!

isabella saes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
isabella saes disse...

Amanda, obrigada! Vc é um doce.

Gabriel, querido! Não se angustie com o que passou e não volta mais. Há tantas coisas bacanas pela frente que aquilo que passa é para dar lugar ao novo. E o novo fica muito melhor quando se está mais velho.

Selma, eu sou uma trintona que adoraria ter vc ainda como companheira de trabalho. Lamentei mesmo quando vc foi, apesar do pouco tempo de convívio. Tenho certeza de que, se nos encontrarmos profissionalmente de novo, com mais tempo, olharei pra vc e verei uma "gurua"! E saiba que estou à disposição para dividir experiências, conhecimento. Depois de ir ao cinema, esse é meu passatempo predileto. Ah! E faço minhas as suas palavras: desejo também que o tempo me mantenha tola para acreditar que sempre é possível. E digo mais: com a empolgação necessária para estar em constante processo de reinvenção!

Brit! Nós dois somos grandes amantes da arte, principalmente do cinema. E o cinema nada mais é do que um objeto transformador. Pelo menos, sobre mim ele tem esse poder.

Serginho! Obrigada! Que bom que vc gostou do que escrevi. Que a vida nos dê forças para optar sempre pelo otimismo. Visitar seu blog é sempre um prazer e, quanto ao filme, se vc não gostar, pelo menos vai ver Jim Carrey num papel muito diferente dos habituais. Ele ganhou o Globo de Ouro por esse trabalho.

Ana disse...

E aí Isabella, tudo bem?
Eu estaria mentindo se dissesse que sei exatamente o que você está sentindo, pois estou um pouco longe dos 30, mas devo te dizer que estas conservada pra 33 anos!!!
Não importa se tem 30, 50 70 ou 80 anos, cada idade é linda, tem o seu encanto e seu momento.
bjs,
até.

Brava'S Idéias disse...

Olá,Isabella!
Eu adoro escrever sobre o tempo (e olha que eu nem tenho tanto "tempo" de vida assim - aos 19), de como ele vai me mudando, e como tudo ao meu redor muda também. E sabe, eu adoro! Pelo menos por enquanto rs. O tempo traz novidade ou rotina, depende de como você quer vê-lo.

E o que são 33 anos?!
O importante é a forma como se vive, a forma como se encara as mudanças, e pelo jeito você se dá bem com elas.
Quero estar por aqui até meus 100 aninhos!
rs

Beijos!

Suellen Analia disse...

Isabella, gostou do meu e-mail de hoje? Sentimental, não? rsrs
Beijos.

juca cavalcante disse...

Tempo rei, ó tempo rei,
ó tempo rei.
Trnsformai as velhas
formas do viver.
Ensinai, ó pai, o que eu ainda
não sei
Mãe Senhora do Perpétuo,
socorrei-me.
( Acho que é assim a letra do Gil)
Isabella! Eu jurava, pelas fotos, que você tinha, no máximo, uns 25 anos. Que grata surpresa!

É! Já dizia Cazuza: O tempo não pára.
Só nos resta aprender com ele!

Valeu! Um abraço!

juca cavalcante disse...

retificando: transformai

Bárbara Pereira disse...

Belíssima,

eu tinha pavor de envelhecer, mas com o tempo - e muita análise também - fui vendo que as coisas podem ser boas depois dos 30. Confesso que tá dando um paniquinho pré 40 (faltam só dois anos), mas me acho hoje muito melhor do que aos 20 anos, em todos os sentidos. E assim como você, tb gosto de aprender com os mais velhos. Tenho muito prazer em ficar horas conversando com pessoas que querem contar suas histórias.

Vc tem toda razão: não há mais modelos nas redacões, eles vão embora muito cedo, cuidar das assessorias de imprensa.

Beijos

isabella saes disse...

Oi, Ana! Não tenho problema nenhum com o fato de envelhecer, mas que é bom alguém nos dar menos idade, é. Obrigada pelo "conservada"!! Adorei!!

Brava's, seja bem-vindo por aqui! Se estiver com saúde, saiba que também quero ir até os 100, assim como vc. E escrevendo no blog, com vc comentando, hein! Falaremos sobre nossos netos, bisnetos... Eita coisa boa!

Suellen, não vi seu e-mail. Vou dar uma olhada!

Juca, música muito apropriada para acompanhar o post. Adorei! E muito obrigada pelos 25! Não tenho problemas com o tempo, mas que é bom estar conservada, isso é!

Bárbara, não há nada melhor do que ouvir histórias dos mais velhos. Como a gente aprende! Sou capaz de ficar um dia inteiro só ouvindo, ouvindo... Vc lembrou bem: malditas assessorias de imprensa. Por que foram pagar tão bem?!

Brava'S Idéias disse...

Estarei batendo ponto por aqui, pode deixar, Isabella!

;D
Beijos!

® ♫ The Brit ♪ ® disse...

Hi Dear Friend,
Yesterday I followed your "dica" that you gave me some months ago... I went to the Creperia in Copacabana and had a Crepe de Marguerita! que delicia!
I hope that next time I am in Rio that we can meet - I will buy you a crepe and we can talk about our love of cinema! que tal?
Bjs!

Marco disse...

Ah, Isa a Bela... Em você, 33 anos é apenas um número. O Tempo é um seu admirador, como eu sempre fui. Mas você sente na mente (inquieta, mas que vai se aquietar com os anos) o resultado de seus caminhos percorridos, de suas experiências vividas... É curioso e de certa forma injusto, mas a gente vê o corpo piorar e sente a cabeça melhorar com o tempo! Seu texto é lindo e sensato. Agora, você é, além de Isa a Bela, Isa a Sábia... Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.
Em tempo: o comercial do "eu sou você amanhã" era da vodka Orloff.

isabella saes disse...

Oi, Brit! Qual creperia? Le bleu noir?

Marco, querido! Quantos elogios, assim eu fico metida, hein?! É verdade, o comercial era da Orloff!!! Caramba, quem cita esse comercial num post, como eu, e quem lembra do que ele falava, como vc, revela a idade MESMO!!! Hahaha... Beijos.

Adriana disse...

minha relação com o carnaval tb mudou. Definitivamente! Já até falo 'conjunto'. Lembra? foi num banco de carro, em pleno carnaval, q vc soltou a palavra q nos meus vinte e poucos me fez dar gargalhadas. hj com vinte e muitos, simpatizo bem mais com um conjunto do q c um bloco nesse calor desgraçado, entupido de gente.
há!? tb tá vendo Caminho das Índias, hein... vai dizer q vc não aprendeu com a Glória Perez esse lance aí do cumprimento no pá?!
e Incha alá é de O Clone. tá misturando as novelas...
beijocas amiga querida.

isabella saes disse...

Hahahaha! Lembro bem do "conjunto"... Mas eu não tô vendo a novela, não. Depois de Donatella e Flora, há que se dar um tempo! Hehehe... Beijos.

® ♫ The Brit ♪ ® disse...

Isso mesmo amiga! Le Blé Noir. Crepes melhor daquelas somente em Paris mesmo!! eu tb foi para aqueles quiosques na praia onde tb tem crepes, mas sua dica foi incrivel!
Eu voltei para casa hoje a noite e já tem muitos saudades do Rio! eu vai voltar de novo para um ferias em Abril e esse ano mesmo estou voltando para morar ai depois 4 anos.
Esses dias eu almoçou com meus ex-alunos das empresas e eles quer voltar para fazer aulas comigo e alem disso eu ainda consegui mais 3 alunos... então meu futura em Rio já estar parecendo boa!
Beijos Dear Friend!

JUCA CAVALCANTE disse...

Oi Isabella!
Saber envelhecer é uma arte. Aceitar suas limitações físicas e mentais, idem, aprendendo a conviver com isto.
Pena que moramos nunm país que trata seus velhos de um modo bastante deprimente. Como se a velhice não chegasse para todos.
UM ABRAÇO!

♫Pri disse...

Seu texto é magnífico!
apesar de ter 23 anos, penso como você e é verdade que nos sentimos mais completos com o passar do tempo, e isso pra mim também é confuso, alegre e dolorido ao mesmo tempo!
estranho mas bom né?

Mil beijos querida.

juca cavalcante disse...

Olá Isabella!
Sabe o quê o tobogã falou pro outro tobogã no parque de diversões?
Nào? Eu vou responder:
- Como os "ânus" passam depressa!

( Trocadilho infame, hein!)

Valeu! Um abraço!

isabella saes disse...

Oi, Juca! Oi, Pri!

Juca, valeu pela piada nesse último dia de Carnaval!! Gostei. E, Pri, obrigada pelo elogio ao meu texto. Esse é o meu combustível para escrever mais e mais.

® ♫ The Brit ♪ ® disse...

Oi Isabella,
Espero seu Carnaval foi otimo!
Nao te falei o que "Britain's Golden Girl" Kate vai ganhar Melhor Atriz?!! rsrs
Did you see her wonderful acceptance speech getting her Dad to whistle in the crowd?! She's very down to earth and completely deserved the Oscar!
Beijos!

juca cavalcante disse...

Olá Isabella!
Finalmente recebi os livros da editora Guemanisse, incluindo o Narrativas e poéticas.
Li seu conto:Boneca russa.
Gostei. Muito denso, sensível,poético e injusto. Por que você não deixou que os dois fossem felizes para sempre? (risos)
Por que ela deixou aquele bilhete junto com a boneca, sabendo o estado em que o marido se encontrava?
Ah! A felicidade! sempre tão escorregadia.
Achei muito legal. Você tem muito futuro, menina!
Valeu! Um abraço!

isabella saes disse...

É, depende muito do referencial... Se vc olhar por outro lado, ele é muito justo. O final fica nas mãos do leitor. Mais democrático impossível! Obrigada, caro leitor, pelo tempo investido em minhas palavras!

Amanda Hora disse...

=/ E eu cada vez mais ansiosa pra ler seus dois contos publicados... mandei um e-mail para a editora dos dois livros. No momento, aguardando resposta rsrs
Bj!

Suellen Analia disse...

Tb estou doida pra ler esse livro.
Já tem ideia de qnd vai chegar às livrarias, Isabella?
Grande beijo!

isabella saes disse...

Suellen, esses livros foram distribuídos em bibliotecas de escolas públicas. Se não me engano eles não foram trabalhados comercialmente!

Suellen Analia disse...

É, vc já tinha falado isso.
Mas eu achei que depois, ele seriam comercializados. Uma pena!
Beijos.

Isabella disse...

Também tenho 33 anos e as vezes me sinto velha. Quando a gente chega nessa idade e vê que alguns sonhos não foram realizados, a gente se desespera um pouquinho. Meu nome é Isabella, 33 anos, uma filha de 13, Fortaleza - CE.

isabella saes disse...

Oi, Isabella, seja sempre bem-vinda por aqui!! Vou te dar uma dica meio "Poliana", mas que cabe bem aqui: veja pelo lado de que ainda resta muuuuuito tempo para realizar muuuuitos sonhos. Desistir jamais, minha xará!

Rafael_PS3Brasil disse...

Parabéns pelo Blog, muito legal "conhecer" um pouco mais a dona da voz que ouço todo dia a tarde. Quanto a esse post, tenho 27 anos e temo chegar à mesma conclusão. O que me faz lembrar uma piadinha: Até os 13 anos a gente acha que os pais da gente sabem tudo, que são nossos hérois. Entre os 14 e os 30, passamos a achar que nossos pais não sabem de nada. Após os 35 ficamos impressionados como eles, nossos pais, aprenderam tudo tão rápido. Essa é mais uma etapa e como dissestes , é melhor pensar em todo tempo que temos p/ fazer e descobrir coisas novas! Beijo no coração

isabella saes disse...

Oi, Rafael!! É só dar tempo ao tempo que a gente vai entendendo tudo o que acontece!! Obrigada pela visita e volte sempre. Seja bem-vindo!!