quinta-feira, outubro 06, 2005

Posso me aposentar!



Queridos fãs e amigos, comunico a todos que já posso me aposentar. Sabe, vida de repórter é muito sacrificada e, depois da entrevista que fiz ontem, decidi que já estou pronta pra parar...

BRINCADEIRINHA! Mas, é que tive o prazer de entrevistar uma das pessoas (se não "a pessoa", "the one") que mais admiro no vasto universo cinematográfico mundial: o ator Ralph Fiennes. Acompanho a carreira deste moço tímido, de olhos azuis, que quase sempre encarna personagens profundos e densos, há muito tempo. Desde seu sucesso em "O Paciente Inglês", passando por "Fim de Caso", "Dragão Vermelho", "Spider", "Sunshine", até chegar em seu mais recente trabalho em "O Jardineiro Fiel", do brasileiro Fernando Meirelles. Filmaço! A produção conta a história de um diplomata, interpretado por Fiennes que - em decorrência da morte de sua esposa, vivida pela linda e talentosa Rachel Weisz - se vê diante de uma conspiração da indústria farmacêutica ocidental, contra a qual sua mulher lutava na África.

Enfim, voltando a entrevista com meu ídolo... Não sei se vocês sabem o que é um "junket". Pra quem não sabe, "junket" é um tipo de entrevista que a distribuidora do filme organiza no país onde ele está sendo promovido, em que os entrevistados ficam numa pequena sala recebendo jornalistas de 10 em 10 minutos (suuuuuper cronometrados!!!). Aliás, quem quiser saber como realmente funciona esse esquema, não pode perder a matéria que fiz junto com o Fábio Júdice, do Multishow, canal 42, no "Revista Bastidores", nesta segunda, dia 10/10, às 23h45.

Primeiro entrevistei Fernando Meirelles, com quem já havia estado em Cannes, quando do lançamento de "Cidade de Deus", que aliás foi um sucesso, na época, no balneário francês. Fernando, como sempre, muito simpático e aberto a todos os tipos de perguntas. Um cara guerreiro, que colocou todo o seu talento e sua emoção neste projeto, e assina uma direção de quem entende mesmo do que faz.

Depois, chegou a vez de encontrar com Mr. Fiennes. Segundos antes, não estava acreditando que apertaria a mão do sujeito. E olha que nunca tenho esses ataques de fã, hein... Mas era ele, Ralph Fiennes, em carne e osso, que apareceu na minha frente e disse bem baixinho: "Hi". Eu já havia sentada na cadeira e me levantei ao perceber sua presença. Nossas mãos não se encaixaram no cumprimento, o que nos fez repetí-lo e daí surgiu o primeiro sorriso, ainda tímido, naquele rosto que se transforma a cada personagem. Enfim, depois de um "I´m ready" por parte dos dois, a entrevista começou. Fiennes é realmente tímido e guarda um mistério no olhar. Mistério esse que fica nítido a cada mergulho do ator, a cada palavra pronunciada. Ou seja, seu mistério existe na realidade e na ficção. Sua fala é baixinha e, ao responder uma pergunta, parece refletir profundamente sobre ela para, em seguida, expor calmamente seus pensamentos.

Nada do que aconteceu naquela pequena sala, em que nos encontramos cara a cara, como nunca havia imaginado - e olha que já estive cara a cara com Martin Scorscese, Sandra Bullock, Cameron Diaz, Whoopi Goldberg, Leonardo Di Caprio, Hugh Jackman, Will Smith, Woody Allen, Jack Nicholson e muitos outros da turminha de Hollywood - foi inesperado. Raph Fiennes não me surpreendeu. E nunca tive uma sensação tão boa por não ter me surpreendido positivamente com alguém. No caso dele, preferia que tivesse sido exatamente como foi. De acordo com todas as minhas expectativas. A idéia que fazia de Fiennes se confirmou e aqueles dez minutinhos pareceram 30 segundos.

Devo confessar que o dia segiu bem, com uma gripe que custa a me deixar, mas com uma sensação muito boa não só por ter estado com alguém especial, como também por ter falado de assuntos que realmente me interessam, com pessoas inteligentes, preocupadas em transformar o mundo, a realidade. Ah! E com profundidade, algo cada vez mais escasso no mundo de hoje.

Viva Mr. Fiennes e viva mais ainda Fernando Meirelles, por ter acertado em cheio ao abraçar este projeto. Ah! E viva a mente inquieta, que conseguiu convencer a chefe de que tais entrevistas deveriam ser feitas custasse o que custasse!

4 comentários:

Marco Santos disse...

Parabéns, ó Isa a Bela! Mais um golaço da melhor jornalista do Multishow. Fico muito feliz e orgulhoso. Vem cá, você já entrevistou aquela gente toda? Spielberg e os demais? Caraco! Essa menina é flórida, mesmo!
Um super beijão procê! Apareci aqui para te convidar a ler o meu texto "Extra! Extra! Extra!" lá no Antigas Ternuras. acho que vai te interessar. Mas aí leio este teu post...Puxa! Que legal!

Monica Cardoso disse...

Isabella, achei teu blog no orkut. Que achado!! Menina, vc não vai acreditar... Comprei empolgadíssima os convites pra pré-estréia de O Jardineiro Fiel. Queria ver aqueles olhos azuis pessoalmente... Ainda arrastaria meu irmão e companheiro e uma amiga de infância. Vc não vai acreditar, assim como eu que tb não acreditei: errei a data!!! Me arrumei toda na quinta-feira à noite e fiquei com cara de tacho quando li no comprovante da internet que a sessão havia acontecido na quarta-feira... Logo na quarta-feira que eu estava super entediada a ponto de aluguar três dvds e assisti-los numa levada só... A sessão rolando (sei que ele não ficou por lá o tempo todo) e eu em casa, alheia à tudo... Só pude rir depois e contar a história pra todos com gargalhadas nervosas... Enfim, alegria de pobre dura pouco...
beijo grande e muito sucesso pra vc!
Ah! e mais entrevistas com ele (tenho certeza que outras virão)!!

Isabella disse...

oi, monica! a gente se conhece? tentei achar vc no orkut, mas várias monicas cardoso apareceram... bom, fico feliz por vc ter gostado do blog e desse texto em especial! você viu a matéria na segunda-feira? seja bem-vinda e apareça mais vezes!

monica cardoso disse...

Te respondi pelo orkut, Isabella. E, caramba, tem muita monica cardoso por lá mesmo!!
bjs