quarta-feira, setembro 14, 2005

Bichos Escrotos


"Bichos, saiam dos lixos
Baratas, me deixem ver suas patas
Ratos, entrem nos sapatos
Dos cidadãos civilizados
Pulgas, que habitam minhas rugas
Oncinha pintada, zebrinha listrada, coelhinho peludo
Vão se foder!
Porque aqui na face da terra só bicho escroto é que vai ter!
Bichos Escrotos saiam dos esgotos, bichos escrotos venham enfeitar
Meu lar, meu jantar, meu nobre paladar..."

Outro dia, voltando do trabalho, veio das profundezas do meu inconsciente a canção aparentemente idiota, provavelmente composta depois de um longo consumo da erva,"Bichos Escrotos", do "Titãs". Parei para pensar no porquê de, justamente, essa música ter invadido minha mente inquieta numa tarde chuvosa, quando estava a bordo de minha viatura, cuja cor leva o nome de "Lúcifer". Ui, que "meda"!

Quem anda muito de carro, sabe que os insuportáveis trânsitos cariocas podem servir como um atalho pro Nirvana. É nessas horas que consigo tirar o pé do acelerador - no sentido real e figurado - e me distanciar da realidade. É nessas horas também que faço descobertas incríveis, inclusive que meu carro precisa urgente de um banho. Tem pelo de cachorro, vaga-certa dos últimos quinze dias, lata de coca-light amassada (com canudo), caixinha de óculos (sem os óculos), "Segundo Caderno" do mês passado... Ufa! Mas, nada disso atrapalha minha meditação ao som repetitivo de buzinas e afins.

Bom, voltando aos bichos escrotos... Depois de umas duas horas pensando em como aquele raio de música havia invadido meus aposentos cerebrais, cheguei a uma conclusão que fez sentido - pelo menos naquela hora e pra mim.

É que venho trombando bastante, nos últimos tempos, com bichos escrotos. É como se eles saíssem de seus esconderijos e se revelassem pra mim. Venho percebendo como estamos cercados, cada vez mais, de personagens de contos de terror. Edgar Allan Poe é fichinha pras nossas histórias. Digo "nossas" porque, com certeza, a minha história é a sua e a sua é a minha.

Organizo em tópicos para melhor entendimento de meu público assíduo de cinco leitores:

1 - Abrir o jornal às 7h30, antes de começar o dia lá fora, é um convite à depressão. Pergunta aí se os psiquiatras não estão ganhando mais dinheiro?

2 - Os valores estão completamente mudados ou é impressão minha? Hoje (tudo bem que isso já existe desde o "Homem de Neanderthal", mas agora tá demais "de la cuenta"...) a moda é, segura aí:

3 - Roubar muuuuuuuuiiiiiito (quem rouba pouco é mulher do padre), mentir deslavadamente (quem mente pouco fica com a mão amarela) - isso, no governo. Depois temos:

4 - Ser amigo da pessoa certa, por interesse, para poder subir no mercado de trabalho;

5 - Não reconhecer ninguém por mérito, mas sim porque tem dinheiro, é filho (a) do fulano (a), namorado (a) do ciclano (a), é gostoso (a), faz uns programinhas;

6 - Ah! Temos muitas mulheres casadas, juntadas, encoleiradas, whatever, paquerando descaradamente o namorado, marido das outras;

7 - Homens jogando charminho pra ver se fisgam a mulher do companheiro ali que olhou para o lado;

Posso estar parecendo moralista, com esses tópicos. Mas, não é isso, não. Em todos eles, há um ponto em comum: falo de "falta de respeito". E parece que todo mundo está fazendo um cursinho entitulado: "Como respeitar cada vez menos o próximo?". O problema é geral, a falta de respeito está em todos os cantos. Do mundo!!! Ei, alôou! Diante de nós circulam seres humanos, pessoas de carne, osso e espírito. Gente que tem sentimentos. Que tal revermos os nossos conceitos (como já diz a propaganda)?

8 - Ai, ai... Tô ficando cansada e sem saco de continuar. Mas a lista de atitudes que levam o ser humano a atingir sua condição mais fake é infinita. Ficaria aqui dias e mais dias escrevendo sem parar.

Lembra daquela brincadeira do programa do Sílvio Santos - Domingo no Parque - em que um jovenzinho sentava numa cadeira, que ficava dentro de uma espécie de cabine, colocava um fone no ouvido e lá de fora o Sílvio perguntava: "Você troca um apartamento na Av. Paulista por uma bola furada?" E a vítima respondia: "Siiiiimmm!" ou "Nããããooo!"? Então, às vezes sinto como se estivesse sentada nessa mesma cadeira, respondendo a perguntas parecidas, só que tendo que escolher entre uma opção pior que a outra: "Você troca uma bala perdida por um assalto à mão armada?", "Você troca uma viagem ao Iraque por uma outra à New Orleans?", "Você troca Roberto Jefferson por Severino Cavalcante?", "Você troca Bush por Bin?".

Ora, francamente, desculpem o meu pessismismo - não costumo ser assim, quem me conhece sabe que sou muito otimista e nada amarga- mas esse mundo e seus habitantes estão passando dos limites e, de vez em quando, alguém tem que gritar! Chegou a minha vez: Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!!!

Entenderam agora a razão pela qual minha mente resgatou das trevas os "bichos escrotos", né? E o pior é que os "bichos escrotos" externos acordam os internos, pois diante de tudo isso despertam aqui dentro a raiva, a vontade de explodir o Congresso, de colocar pra fora toda a pena que sinto de seres humanos fracos, que precisam partir para a ignorância pra vencer na vida. Chega. Vou gritar de novo: Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!!!

Pronto, tô ótima. Agora, vou ao cinema com o meu amor, meu achado, minha luz. A gente adora escapar da realidade numa sala escura qualquer... Depois, a gente volta pra ela prontos para encarar todos os monstros do dia-a-dia. Falando assim, parece até que só vejo o lado negativo das coisas. Vejo não. Tem muita coisa boa por aí. Só temo que elas se percam...

20 comentários:

re_bonora disse...

Vamos construir uma sociedade alternativa? A gente leva os amigos mais próximos, esses amigos mais próximos levam outros mais próximos e vamos reconstruindo todos esses valores que foram perdidos com o tempo e que poucas pessoas como eu, vc e o Caco temos.
Ai que saudade que tava dos seus textos! Escreve mais, vai?! Um beijo enorme para os 2 e muitas saudades. Re

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Sonia disse...

Belzinha, AMEI DE PAIXÃO!!!
Como diz a Re_Bonora lá em cima: escreve mais, tá? Beijos tia Sonia

Lia disse...

Pois é, querida.
Tem muita coisa ruim, muita gente PEQUENA, dá quase pra perder a fé.
Mas aí alguma coisa acontece, ou alguém que você conhece, ou alguma coisa que você ouve que até faz acreditar que isso tudo pode ter uma saída.. será?

(eu tenho visto gente se esforçando pro bem, viu?)
:*

Marco Santos disse...

Olha, querida e Bela Isa: já passei a fase do "pára o mundo que eu quero descer". Apesar de tudo de podre que está rolando em torno de nós, preferi adotar uma estratégia mais zen. Prefiro ser o "sal da terra" como Jesus falou, aquele que não se deixa impregnar nem corromper o seu sabor. Ou ser como o beija-flor daquela estorinha, que levava água no bico para apagar o incêndio da floresta e quando riam dele ele dizia "estou fazendo a minha parte". Ou ainda ter o sentido da gratidão aos meus pais que souberam me criar, dando-me valores que me guiam como um farol na escuridão que está fazendo ao nosso redor.
Que bom que você voltou a escrever aqui. Recebeu minhas dicas de template? Apareça lá no Antigas Ternuras (lembre-se: você é madrinha do meu blog!). Eu o transformei quase numa revista virtual ilustrando meus textos com bastante imagens.
Um beijo grande! Fique com Deus.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Marco Santos disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Marco Santos disse...

Pelo visto, minha Bela Isa conseguiu resultados com minhas instruções de template. Valeu, querida! Agora é buscar imagens bem legais para quando você quiser ilustrar seus textos. Dá um pouco de trabalho mas tenho conseguido resultados ótimos, como você viu lá no AT. Tente agora inserir link no texto, como eu te expliquei.
Outra coisa:Eu também tenho recebido uma porrada de spam. Vou te mandar um e-mail explicando como você pode excluir de vez o comentário indesejado. Beijão!

brasil disse...

Caramba ! Estou trabalhando aqui em um Sexta-Feira 13, do mês de Setembro de 2013. Após ansioso para ver o fim do julgamento do recurso do Mensalão (Fiz Engenharia Elétrica e agora inventei de fazer Direito) no STF que acabou empatado restando um último voto para próxima semana. Ainda há esperanças. Trabalhando hoje ao som vários tipos de músicas (realmente músicas), escutei bichos escrotos, e me veio a mente o por que desta letra, buscando na Net, encontrei este primeiro link que me traria a resposta. Engraçado que uma das possíveis respostas veio de uma pessoa que também procurava uma resposta. Gostei do que escutei e da experiência transmitida. Vejo que agora em 2013, o relatado, piorou. Mas, ..., parece que a mudança começou, e que poderá ser sentida umas 3 gerações a frente. Gostei das palavras, da escrita e dos pensamentos. Grande abraço.

brasil disse...

Caramba ! Estou trabalhando aqui em um Sexta-Feira 13, do mês de Setembro de 2013. Após ansioso para ver o fim do julgamento do recurso do Mensalão (Fiz Engenharia Elétrica e agora inventei de fazer Direito) no STF que acabou empatado restando um último voto para próxima semana. Ainda há esperanças. Trabalhando hoje ao som vários tipos de músicas (realmente músicas), escutei bichos escrotos, e me veio a mente o por que desta letra, buscando na Net, encontrei este primeiro link que me traria a resposta. Engraçado que uma das possíveis respostas veio de uma pessoa que também procurava uma resposta. Gostei do que escutei e da experiência transmitida. Vejo que agora em 2013, o relatado, piorou. Mas, ..., parece que a mudança começou, e que poderá ser sentida umas 3 gerações a frente. Gostei das palavras, da escrita e dos pensamentos. Grande abraço.