quinta-feira, março 23, 2006

Noventa

Mais uma vez era picada pelos inúmeros mosquitos que circulavam pela Lapa, quando o amigo blogueiro ( Babel Turbo)
veio lhe mostrar seu último texto. Falava sobre o tempo. É claro que depois de ler, a mente inquieta que vos fala começou a refletir e emocionada ficou.

Era aniversário de sua tia avó, a Tia Carmen. Noventa anos. A família fez uma pequena festa para não deixar passar em branco a data tão querida. Havia muito tempo que não aparecia por lá. Era como se o apartamento tivesse sido congelado no tempo. A nostagia foi imediata. Foram tantos Natais passados lá. As esculturas, velas, plantas, porcelanas, estátuas, louças... Os armários, móveis, quadros... Todos no mesmo lugar, fazendo aniversário junto com Tia Carmen. Talvez, seus maiores companheiros durante todos esses anos de vida. Vinte quatro horas ao lado dela, no silêncio da tarde, no calar da noite, no barulho do amanhecer.

Noventa anos, com carinha e corpinho de setenta. A cabeça? Melhor que a de muito jovem por aí. Chegou até a falar a letra todinha, sem hesitar, da música que seu falecido marido compositor, o Tio Reis, havia feito para ela. "Um homem magnífico, gentil, companheiro", dizia ela sobre o Tio Reis, de quem os mais novos da família têm apenas uma turva lembrança.

Tia Carmen estava com um ar tranqüilo e, nessa noite, foi dona de palavras bonitas e inspiradoras. Falou sobre a vida, com a categoria de quem realmente a conhece. E bem. Enquanto ela discursava leve e pausadamente, comendo sua gelatina de morango (segundo ela, o segredo de chegar aos noventa bem é comer um potinho de gelatinha por dia), a mente inquieta ia longe. Os olhos chegaram a ficar molhados, mas ninguém notou. O pensamento invadia as camadas mais profundas do cérebro, a viagem começou a ficar intensa. E a base de toda essa reflexão era... Quem? O tempo. O tempo do meu querido amigo blogueiro, o tempo que cura tudo, o tempo que não pára, o tempo esclarecedor, o tempo que traz sabedoria, rugas... O tempo.

Ontem, com certeza, passei a conhecê-lo melhor.

4 comentários:

Murilo Ribeiro disse...

Bella, que bonito...bom é saber que o tempo que passa, ora pesado como chumbo; ora leve como algodão, traz umas pessoas tão bacanas pras nossas vidas...
Você é uma dessas pessoinhas! Bjão pra vc e parabéns pra tiazona!

Tia Sonia disse...

Bel, querida

Você realmente tem uma sensibilidade à flor da pele. Daí este texto lindo sobre a nossa Carmutcha. Foi muito gostoso estarmos todos ali, numa reunião familiar. Apesar de não ser sempre, por causa da correria da vida , conseguimos, ao menos nos aniversários, nos reunir. E família que se gosta é isso... E viva nóis!!!

Bjs Tia Sonia

Marco Santos disse...

Minha querida Isa, a Bela: Dê meus parabéns à Tia Carmem. Toda a aura que envolveu a comemoração é a razão de ser do Antigas Ternuras. Viu porque gosto de relembrar estes tipos de coisas? Um beijo procê.

re_bonora disse...

Bel,
Parabéns a Tia Carmem e a tudo aquilo que ela viveu e que conseguiu te tocar, especialmente, neste dia.
O segredo de chegar aos 90? Talvez seja arranjar tempo para contemplar as coisas que a vida tem a nos oferecer. Desacelerar, este é o segredo! E viver cada momento com toda intensidade. Aproveitar a companhia da família, dos amigos, de quem se ama de verdade.
Beijocas,
Re