segunda-feira, junho 18, 2007

Dona Cicia

Suas mãos não mentem... Deram muito duro na vida. Cada ruga em seu rosto é dona de uma história diferente, que faz a gente parar, prestar atenção e se emocionar. Sua prosa deixa claro: os estudos passaram longe. Mas, quem disse que precisa de estudo para ter opinião, criticar, saber o que quer? Lá no alto de uma rua que não sei o nome, sento num sofá surrado e confortável, admiro uma parede feita de mosaicos, onde cada pedacinho de ladrilho forma a imagem de Jesus Cristo. Degusto um delicioso doce de chique-chique feito pelas mesmas mãos que não se cansam de trabalhar e ouço histórias de tempos que não vivi, sobre uma realidade distante muitos quilômetros da minha. Que mulher é essa que constrói a própria casa, perde o marido cedo e trabalha para sustentar seis filhos, faz doce, cria lindas figuras em mosaico, cozinha, participa de longa-metragem do Guel Arraes, dança quadrilha e está sempre pronta para a próxima? Que mulher é essa que faz a gente olhar pra dentro e ver que a felicidade está mesmo nas pequenas coisas, como já diz o nosso conhecido clichê? Que mulher é essa que olha no olho, convida pra sentar, canta músicas do Rei, chora, ri e, por fim, diz "volte sempre"? Que mulher é essa? Na minha terra, foi-se o tempo em que essa mulher deu o ar de sua graça...

3 comentários:

Marco disse...

Minha querida Isa, a Bela....
Essa sua excursão Bye Bye Brasil é o quê? Você está fazendo um road-movie?
Que bom que voltou a escrever.
Carpe Diem.

Murilo Ribeiro disse...

Lindo texto!!! Quero conhecer a coroa também!!!rs...
Bjão, Bella!
Saudade de tu!

re_bonora disse...

Belzinha,
Há poucos meses também fugi para uma outra realidade, não tão dura como a que vc deve ter encontrado, mas também no interior. Meus tios e alguns primos sem estudo não se cansavam de me ensinar sobre suas "lidas". Cada hora com aquela gente era mais valiosa do que qualquer coisa. A vida tem cada jeito de nos mostrar o que é sabedoria...
Beijos.